"Precisamos desenvolver um tipo perigoso de altruísmo."
Luther King, uma mensagem e um exemplo de grande atualidade

No dia 15 de janeiro, evocamos o nascimento de Martin Luther King (1929-1968), Prêmio Nobel da Paz, e um dos principais líderes da luta pelos direitos civis nos Estados Unidos.Sugerimos a leitura de alguns de seus discursos publicados no ano passado pela Jorge Zahar Editor e ainda encontrável nas livrarias. O livro foi organizado por Kris Shepard e Clayborne Carson e traduzido por Sérgio Lopes. É a melhor coletânea de textos de Martin Luther King já editada entre nós. Leia a seguir um fragmento do último discurso, proferido em Memphis, Tennessee, em 3 de abril de 1968, na véspera de seu assassinato.

(...)"Há algo mais que precisamos fazer: sempre ancorar a nossa ação exterior no poder da retração econômica. Somos um povo pobre; individualmente somos pobres quando nos comparamos com a sociedade branca da América. Somos pobres. Mas nunca se esqueçam que coletivamente, ou seja, todos nós juntos, coletivamente somos mais ricos que todas as nações do mundo, com a exceção de nove. Vocês já pensaram nisso? Fora os Estados Unidos, a União Soviética, a Grã-Bretanha, a Alemanha Ocidental, a França, e poderia menciona alguns outros, o negro, coletivamente, é mais rico que a maioria das nações do mundo. Temos uma renda anual superior a 30 bilhões de dólares, que é maior do que toda a exportação dos Estados Unidos e maior do que o orçamento anual do Canadá. Vocês sabiam disso? Esse é o poder que temos, se soubermos utilizá-lo (Sim).

Não precisamos discutir com ninguém. Não precisamos discutir com ninguém. Não precisamos praguejar e sir por aí agredindo as pessoas com as nossas palavras. Não precisamos de pedras nem garrafas, não precisamos de coquetéis-molotov (Sim). Precisamos simplesmente circular por essas lojas e pelas grandes indústrias de nosso país e dizer: ‘Deus nos enviou aqui para lhes dizer que vocês não tratam bem os Seus filhos. E viemos aqui lhes pedir que o primeiro item de sua agenda seja o tratamento justo dos filhos de Deus. Mas, se vocês não estiverem preparados para isso, temos uma agenda a seguir. E nossa agenda exige que retiremos o apoio econômico que lhes damos’.

E assim, como conseqüência, pedimos-lhe nesta noite que saiam e digam a seus vizinhos para não comprar Coca-Cola em Memphis. Passem por suas casas e digam para não comprar leite Sealtest. Digam-lhes para não comprar – como é mesmo o nome do pão?- Wonder Bread. E como é o nome daquela outra fábrica de pão, Jesse? Digam-lhes para não comprar o pão Hart. Como Jesse Jackson disse, até agora, apenas os lixeiros sentiram a dor; agora de certo modo devemos retribuir essa dor. Escolhemos essas empresas porque elas não têm sido justas em suas políticas de contratação e as escolhemos porque elas podem iniciar o processo de apoio às reivindicações e aos direitos desses trabalhadores em greve. E podem ir ao centro da cidade dizer ao prefeito Loeb para fazer o que é certo.

Mas não é só isso. Precisamos ir além e fortalecer as instituições negras. Clamo a vocês que saquem o seu dinheiro dos bancos do centro da cidade e o depositem no Tri-State Bank. Desejamos um movimento "bank-in" em Memphis. Por isso, passem pelas instituições financeiras. Não lhes peço nada que nós da SCLC já não façamos. O juiz Hooks e outros lhes dirão que temos uma conta aqui numa instituição financeira em nome da Conferência da Liderança Cristã do Sul. Apenas lhes pedimos que façam o mesmo. Depositem o seu dinheiro aqui. Vocês dispõem de seis ou sete companhias de seguro negras em Memphis. Queremos um "insurance-in". Eis algumas medidas práticas que podemos tomar. Podemos começar um processo de construção de uma grande base econômica e, ao mesmo tempo, colocar o dedo na verdadeira ferida. Peço-lhes que trilhem esse caminho.

Permitam-me dizer, agora que me aproximo da conclusão, que devemos lutar até o fim. Nada poderia ser mais trágico do que pararmos a esta altura, em Memphis. Precisamos seguir até o fim. E,durante a nossa marcha, vocês precisam estar lá. Se necessário, faltem ao trabalho; se necessário, faltem à escola; mas estejam lá. Preocupem-se com o seu irmão. Vocês podem não estar em greve (Sim), mas venceremos todos juntos ou juntos seremos todos derrotados. Precisamos desenvolver um tipo perigoso de altruísmo".

(Eu estive no topo da montanha, pp.166-168)
Postar um comentário

Postagens mais visitadas